Sustentabilidade...

"Respeitar o próximo, é respeitar a si mesmo". (Tatu)

"Sustentabilidade é utilizar os recursos do planeta com equilíbrio, ou seja, produzir preservando o meio ambiente e garantindo um meio melhor para as futuras gerações"

(Tatu)

"Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de repente você estará fazendo o impossível". (São Francisco de Assis)

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Labirintos pela Terra

Todos sabemos o que é um labirinto, mas nem todos nós já nos encontramos dentro de um verdadeiro labirinto com enormes comprimentos e dificuldade enorme para descobrir o caminho para a saída, portanto nem sabemos que realmente existem. Mas alguns arquitetos tiveram a brilhante ideia de criar labirintos fascinantes, de grandes áreas, que acabaram por se tornar grandes atrações turísticas, sendo conhecidos mundialmente. Conheça cinco dos mais fascinantes labirintos espalhados pelo mundo.

Labirinto “Longheat”


Localizado no Reino Unido, este é o maior labirinto do mundo com mais de 2km de caminho. Foi feito a partir de 16000 teixos em 1975 pelo designer Greg Bright. Ao longo do seu caminho tem pontes e no centro tem uma ponte de observação de onde é possível visualizar todo o labirinto.

Labirinto “Reignac-sur-Indre”


Este labirinto encontra-se em França e é um dos labirintos mais largos do mundo. Com um design que fica na memória após a primeira vista, este design muda de formas todos os anos graças a sofisticadas técnicas de poda.

Labirinto “York” – tributo a Star Trek


Contém cerca de 1,5 milhões de plantas e está localizado no Reino Unido. Foi criado via satélite para celebrar os quarenta anos de Star Trek. O seu tamanho aproxima-se a quinze campos de futebol.

Labirinto “Ashcombe”


É o labirinto mais antigo e mais conhecido da Austrália. Os seus arbustos medem cerca de 3 metros de altura e dois metros de largura. Em certas alturas do ano nascem nos arbustos 217 variadas espécias de rosas, embelezando ainda mais o labirinto.

Labirinto “Pineapple Garden”


Para terminar em beleza, um labirinto localizado na terra do calor: o Havaí. De acordo com o guiness é o labirinto mais largo do mundo, com quase cinco quilômetros de caminho. Foi plantado com cerca de 14000 tipos de plantas coloridas que o distingue dos tradicionais labirintos.
E termina assim a lista dos labirintos mais fascinantes do mundo. Se forem a algum dos países localizados acima podem divertir-se à procura da saída!
fonte: site aterraemmarte.com

segunda-feira, 29 de abril de 2013

AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF)

ALTERNATIVAS SUSTENTÁVEIS PARA O SEU  REAPROVEITAMENTO


Na última década de 90 alguns países fizeram um grande avanço nas pesquisas para o reaproveitamento das areias descartadas das fundições. Estados Unidos, Alemanha e Brasil desenvolveram quase que simultaneamente aplicações mais sustentáveis para estas areias. No Brasil, as areias descartadas das fundições representam o maior descarte em volume dos resíduos classificados como classe 2A, ou seja, não perigosos e não inertes. Anualmente são descartadas aproximadamente 2,8 milhões de toneladas destas areias em todo o país. O estado de São Paulo fica com aproximadamente 35% deste montante, seguido de perto pelos estados de Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os custos cada vez mais elevados para os descartes em aterros industriais licenciados, bem como a busca pelas certificações ambientais, estimulou os institutos de pesquisas e as fundições a buscarem alternativas para o reaproveitamento das ADF’s. No ano de 2000, entrou em operação no interior do estado de São Paulo, a primeira empresa da América Latina fabricante de artefatos de concreto utilizando a areia descartada de fundição como substituta da areia comum. Com esta substituição, os produtos não perderam qualidade e tornaram-se 15% mais baratos se comparados aos similares convencionais. As aplicações em artefatos de concreto são mais indicadas para pequenas e médias gerações de areia descartada de fundição. Para grandes volumes, as utilizações em obras de pavimentação e coberturas de aterros sanitários, são mais adequadas. Na pavimentação, estas areias podem substituir o pó de pedra em obras de cobertura alfáltica, enquanto que nos aterros sanitários a ADF substituiria a terra para cobertura diária. No final do ano de 2007 a CETESB – Companhia de Tecnologia do Estado de São Paulo liberou a Decisão de Diretoria Nº152, que estabelece os procedimentos que devem ser seguidos pelas empresas instaladas no estado de São Paulo que pretendem reaproveitar as ADF’s na produção de artefatos de concreto ou na pavimentação asfáltica. A partir desta data, várias fundições conseguiram o parecer técnico favorável deste órgão ambiental para o reaproveitamento da ADF. Algumas destas fundições já estão com projetos bem adiantados para a implantação do processo completo de reaproveitamento.Seguindo estes passos, os órgãos de controle ambiental dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul também estabeleceram as suas diretivaspara o reaproveitamento das ADF’s. Atualmente também estão sendo elaborados vários trabalhos com o objetivo de comprovarem a viabilidadetécnica e ambiental do reaproveitamento das ADF’s em obras de base e subbase de pavimentos asfálticos. O correto reaproveitamento das ADF’s é um procedimento que trará somente benefícios. Além de reduzir os volumes destinados aos aterros industriais, reduz os custos na produção de artefatos de concreto e nas obras de pavimentação asfáltica. A adoção destes procedimentos também vai reduzir o impacto ambiental gerado pelas cadeias produtivas do setor de fundição e da construção civil.

Autor:
Esneder Antonio Penatti Junior
Engenheiro Eletrônico
Auditor ambiental
Sócio proprietário da Redense Comércio e Assessoria Ltda.
Diretor de meio ambiente da ABIFA
https://dl.dropboxusercontent.com/u/4824487/Areia%20Descartada%20de%20Fundi%C3%A7%C3%A3o%20%28ADF%29%20-%20Alternativas%20Sustent%C3%A1veis%20para%20o%20seu%20Reaproveitamento.pdf


A tecnologia pode destruir a raça humana?

Instituto do Futuro da Humanidade - este é o nome escolhido por uma equipe internacional de cientistas, matemáticos e filósofos que decidiu investigar quais são os maiores perigos contra a humanidade.
E, segundo seu primeiro relatório, chamado Riscos Existenciais como Prioridade Global, os autores de políticas públicas deveriam atentar para os riscos que podem contribuir para o fim da espécie humana.
Seguindo uma onde crescente dos cada vez mais comuns apocalipses científicos, os pesquisadores se espantam que, no ano passado, tenham sido publicados mais textos acadêmicos a respeito de snowboardingdo que sobre a extinção humana.
O diretor da organização, o sueco Nick Bostrom, eventualmente preocupado em buscar recursos para manter seu nascente instituto, montado na Universidade de Oxford, afirma que existe uma possibilidade plausível de que este venha a ser o último século da humanidade.
Ele precisa de argumentos, já que compete com o também fatalista Centro para o Estudo do Risco Existencial, da Universidade de Cambridge, atualmente mais preocupado com uma "singularidade tecnológica" e uma revolução dos robôs.
Apocalipses descartados
Mas primeiro as boas notícias. Pandemias e desastres naturais podem causar uma perda de vida colossal e catastrófica, mas Bostrom acredita que a humanidade estaria propensa a sobreviver.
Isso porque nossa espécie já sobreviveu a milhares de anos de doenças, fome, enchentes, predadores, perseguições, terremotos e mudanças ambientais. Por isso, as chances ainda estão a nosso favor.
E ao longo do espaço de um século, ele afirma que o risco de extinção em decorrência do impacto de asteroides e super erupções vulcânicas permanece sendo "extremamente pequeno".
Até mesmo as perdas sem precedentes do século 20, com duas guerras mundiais e a epidemia de gripe espanhola, não foram capazes de impedir o crescimento da população humana global.
Uma guerra nuclear poderia causar destruição sem precedentes, mas um número suficiente de indivíduos poderia sobreviver e, assim, permitir, que a espécie continue.
Apocalipses da vez
Mas se existem todos esses atenuantes, com o que deveríamos estar preocupados?
Bostrom acredita que entramos em uma nova era tecnológica capaz de ameaçar nosso futuro de uma forma nunca vista antes.
Estas são "ameaças que não temos qualquer registro de haver sobrevivido", diz ele - uma constatação um tanto óbvia, já que a atual onda tecnológica é inédita na história.
O diretor do instituto compara as ameaças existentes a uma arma perigosa nas mãos de uma criança. Ele diz que o avanço tecnológico superou nossa capacidade de controlar as possíveis consequências.
Experimentos em áreas como biologia sintética, nanotecnologia e inteligência artificial estão avançando para dentro do território do não intencional e do imprevisível.
A biologia sintética, onde a biologia se encontra com a engenharia, promete grandes benefícios médicos, mas Bostrom teme efeitos não previstos na manipulação da biologia humana.
Muitos concordam com ele, já que, recentemente, nada menos do que 111 entidades pediram uma moratória nas pesquisas com a Biologia Sintética.

A nanotecnologia, se realizada a nível atômico ou molecular, poderia também ser altamente destrutiva ao ser usada para fins bélicos. Segundo o pesquisador, os governos futuros terão um grande desafio para controlar e restringir usos inapropriados.

Há também temores em relação à forma como a inteligência artificial ou inteligência de máquina, possa interagir com o mundo externo.
Esse tipo de inteligência orientada por computadores pode ser uma poderosa ferramenta na indústria, na medicina, na agricultura ou para gerenciar a economia, mas enfrenta também o risco de ser completamente indiferente a qualquer dano incidental.
Sean O'Heigeartaigh, um geneticista do instituto, traça uma analogia com o uso de algoritmos usados no mercado de ações.
Da mesma forma que essas manipulações matemáticas, podem ter efeitos diretos e destrutivos sobre economias reais e pessoas de verdade, argumenta ele, tais sistemas computacionais podem "manipular o mundo verdadeiro".

Em termos de riscos biológicos, ele se preocupa com boas intenções mal aplicadas, como experimentos visando promover modificações genéticas e desmantelar e reconstruir estruturas genéticas.
Um tema recorrente entre o eclético grupo de pesquisadores é sobre a habilidade de criar computadores cada vez mais poderosos.
O pesquisador Daniel Dewey fala de uma "explosão de inteligência", em que o poder de aceleração de computadores se torna menos previsível e menos controlável.
"A inteligência artificial é uma das tecnologias que deposita mais e mais poder em pacotes cada vez menores", afirma.
Nick Bostrom finaliza afirmando que o risco existencial enfrentado pela humanidade "não está no radar de todo mundo". Mas ele argumenta que os riscos virão, caso estejamos ou não preparados.
"Existe um gargalo na história da humanidade. A condição humana irá mudar. Pode ser que terminemos em uma catástrofe ou que sejamos transformados ao assumir mais controle sobre a nossa biologia. Não é ficção científica, doutrina religiosa ou conversa de bar," vaticina ele.
Para acalmar o tão preocupado cientista, talvez seja recomendável não esquecer que uma única tempestade solar forte o bastante, com a que aconteceu em 1859, poderia desligar todo o nosso "amedrontador" parque tecnológico. E então nossas preocupações seriam bem outras - como não voltar à barbárie, por exemplo.

Fonte: Inovação Tecnológica

Centro para Estudo do Risco Existencial teme revolução dos robôs


Universidade de Cambridge, no Reino Unido, criou um centro de pesquisas para avaliar os riscos de que a tecnologia venha a destruir a civilização.
Centro para o Estudo do Risco Existencial (CSER, na sigla em inglês) pretende analisar riscos impostos à humanidade pela biotecnologia, inteligência artificial, biologia sintética, mudanças climáticas antropogênicas e nanotecnologia.
O centro foi idealizado por um trio bastante heterogêneo: Huw Price (filósofo), Martin Rees (astrofísico) e Jaan Tallinn (cofundador do Skype).
Apesar de alguns riscos tecnológicos bastante conhecidos, como a contaminação por pesticidas e agrotóxicos e efeitos colaterais de medicamentos, além da falta de estudos adequados sobre outros, como a manipulação genética de plantas e animais e os efeitos das nanopartículas sobre a saúde e o meio ambiente, o grupo parece interessado em "riscos mais futurísticos".
Em suas declarações, o trio mostra preocupação com o que chamam de "singularidade tecnológica", um momento no qual computadores ou robôs se tornarão tão inteligentes que superarão os humanos, podendo passar a nos controlar.
Estaríamos então à mercê de "máquinas não exatamente maliciosas, mas máquinas cujos interesses não nos incluem," disse o professor Price.
Mostrando uma aparente desconexão entre preocupações e a realidade atual das pesquisas em robótica e em inteligência artificial, os pesquisadores viajam diretamente das previsões para o campo da futurologia, falando de máquinas que podem não se parecer com os seres humanos, mas que serão mais inteligentes.
Em alguns momentos, os riscos alegados pelo trio parecem tão distantes no futuro - se é que se realizarão - que é difícil discerni-los da ficção científica.
Que um robô que adquira consciência e decida levar a vida por si próprio pode representar um risco para a humanidade, é algo inegável.
Mas qual é a distância entre os robôs atuais e o T-1000? Ou entre os aplicativos de inteligência artificial de hoje e a Skynet?
Parece que o centro destinado a estudar riscos existenciais nasce com um risco intrínseco: o de focar riscos tão improváveis que suas pesquisas nunca poderão ser validadas.
A tecnologia sempre gerou temores, alguns infundados, outros não. Mas os riscos parecem ter quase sempre vindo de onde menos se suspeitava.
De qualquer forma, o que se espera do Centro para o Estudo do Risco Existencial é que se gerem discussões filosóficas ricas, e não apenas distopias amedrontadoras para a população - de profecias sobre o fim do mundo já temos o bastante.

terça-feira, 12 de março de 2013

Avaliação de Impactos Ambientais

A Avaliação de Impactos Ambientais (AIA) tem como premissa básica que a conservação ambiental é uma necessidade fundamental, por que dela depende a própria sustentabilidade econômica de uma sociedade e a nossa consciência ética diz e exige que ela seja tratada de forma preventiva em todas as esferas e atividades desta sociedade.
O conceito de AIA, segundo o site <www.essaseoutras.com.br> explana o seguinte: “É o instrumento de caráter preventivo de execução da Política e da Gestão Ambiental”; e conforme (MORATO, Sérgio, 2011), tem como objetivos prevenir, minimizar e compensar um efeito ambiental negativo ou potencializar um efeito positivo decorrente de atividades e projetos humanos.
A Base Legal que dá suporte a AIA conforme pode se consultar no site <www.stf.jus.br> são em primeiro lugar a Constituição Federal; a Política Nacional do Meio Ambiente (Lei no 6938/81); a Resolução Conama 001/86 e 237/97.
Segundo a Resolução Conama 001/86: Considera-se impacto ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam: a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota (plantas e animais); as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente e finalizando a qualidade dos recursos ambientais.
Somente por estas poucas linhas conclui-se que hoje em dia não mais podem sair por aí fazendo o que querem com relação ao meio ambiente que nos cerca; para tanto se devem fazer uso de instrumentos adequados e para isto a AIA lista cinco principais, que são: Estudo e Relatório de Impactos Ambientais (EIA/Rima); Relatórios Ambientais Simplificados (RAS); Plano de Controle Ambiental (PCA); Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (Prad) e finalizando o Projeto Básico Ambiental (PBA), cada qual abrangendo uma dimensão, voltado ao uso que se propõe fazer do uso do meio em si.
Basicamente, a AIA, trata-se de um estudo de relações de causa-efeito, uma correlação entre as estruturas e atividades de um dado empreendimento capazes de gerar alterações nas condições biológicas, físicas e socioeconômicas de uma determinada região. E como caráter preventivo propõe propostas de soluções e recuperação de áreas já impactadas e degradadas.
Como instrumento de caráter preventivo da PNMA, a AIA detém relevância na proposição de medidas e programas de controle, minimização, compensação e monitoramento de impactos negativos, além de potencializarão dos positivos.
A Estrutura de um Estudo de Impactos Ambientais passa pela sua Introdução, contemplando objetivos e justificativas para um dado empreendimento; Descrição adequada do empreendimento, abrangendo suas fases, atividades, estruturas, insumos necessários e resíduos; Descrição da base legal relativa ao meio ambiente e ao tipo de empreendimento; Análise de alternativas do empreendimento proposto; Definição das áreas a sofrerem interferências diretas e indiretas do empreendimento (áreas de influência); Diagnóstico do local onde o empreendimento será instalado, abrangendo as condições dos meios físico (água, relevo, solo, clima, dentre outros), biológico (flora e fauna) e socioeconômico-cultural (modos de vida, economia, infra-estrutura, arqueologia etc.); A avaliação de impactos ambientais em si, elaborada a partir da inter-relação entre as estruturas, atividades, insumos e resíduos do projeto com os componentes do meio; Proposição das medidas e dos programas ambientais destinados ao controle, minimização e compensação dos impactos ambientais negativos à potencialização dos positivos e à recuperação das áreas degradadas pelas atividades do projeto; Prognóstico ambiental da região (análise da região nos cenários de instalação ou não da obra) e Conclusões.
Com certeza, qualquer gestor ambiental dirá que uma boa AIA depende de alguns fatores, tais como: Bom conhecimento do projeto; Elaboração de diagnósticos ambientais adequados da área ou região a ser afetada; Conhecimento de projetos similares e Visão interdisciplinar.
Sem dúvida alguma, os maiores avanços obtidos através da AIA são, o Instrumento de gestão que garante a adoção do Principio Poluidor-Pagador e o Instrumento que garante o estabelecimento de sistemas de gestão ambiental atrelados a empreendimentos.
Nesta época em que assistimos um crescimento acelerado na região, tanto em termos de empreendimentos imobiliários civis, quanto a plantas industriais, é bom que a ética de nossos gestores se faça presente no que diz respeito à valoração ambiental; que não se metam os pés pelas mãos liberando áreas e recursos naturais sem qualquer estudo de impacto ambiental, pois a prudência preza pelo desenvolvimento, mas de forma sustentável e equilibrado. As futuras gerações certamente agradecerão.
Referencias: MORATO, Sérgio, UNINTER 2013.

Arlindo Cesar Bonassa
Pedagogo pela Universidade Luterana do Brasil e
Pós-graduando em Educação Ambiental e Sustentabilidade pela
Universidade Internacional de Curitiba

terça-feira, 5 de março de 2013

A pé à Pirapora


Com saída programada para o próximo dia 15/03/13 (sexta-feira) ao cair da noite, estaremos saindo rumo à Pirapora numa marcha estimada para chegarmos por volta do final da tarde do dia 17/03/13 (domingo). De Rio das Pedras até lá são cerca de 110 Km em entrepostos pisos de asfalto e atalhos de chão batido. Dentre as dificuldades enfrentadas pelos peregrinos, o que talvez mais pega é o fato do aparecimento de bolhas nos pés decorrente da constante marcha em contraposto ao tempo muito curto de paradas necessárias para o descanso para a renovação natural dos processos biológicos do organismo; ainda falando das dificuldades, alguns locais específicos como a entrada da cidade de Salto, Cabriúva e sem dúvida nenhuma, o morro conhecido como "Tira Saia" que antecede a chegada na cidade de Pirapora são os desafios mais marcantes aos apaixonados pelo caminhar... Contamos com a confirmação certeira de 07 peregrinos e mais alguns que ainda ficaram de engrossar o caldo. Além de nós, os caminhantes, estará seguindo em intervalos programados um carro de apoio, levando nossos pertences como roupas, barraca e colchonete para descanso. Eu que já percorri o caminho por 03 vezes, posso garantir que é uma experiência muito enriquecedora, única e espiritual, onde todas as suas forças, crenças e valores serão postos à prova... Qualquer coisa se manifestem!

Abraços e na volta a gente se fala, com palavras e imagens!

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A Convenção sobre Diversidade Biológica

A Convenção sobre Diversidade Biológica - CDB é um dos principais resultados da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento - CNUMAD (Rio 92), realizada no Rio de Janeiro, em junho de 1992. É um dos mais importantes instrumentos internacionais relacionados ao meio-ambiente e funciona como um guarda-chuva legal/político para diversas convenções e acordos ambientais mais específicos. A CDB é o principal fórum mundial na definição do marco legal e político para temas e questões relacionados à biodiversidade (168 países assinaram a CDB e 188 países já a ratificaram, tendo estes últimos se tornado Parte da Convenção).

A CDB tem definido importantes marcos legais e políticos mundiais que orientam a gestão da biodiversidade em todo o mundo: o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, que estabelece as regras para a movimentação transfronteiriça de organismos geneticamente modificados (OGMs) vivos; o Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para a Alimentação e a Agricultura, que estabelece, no âmbito da FAO, as regras para o acesso aos recursos genéticos vegetais e para a repartição de benefícios; as Diretrizes de Bonn, que orientam o estabelecimento das legislações nacionais para regular o acesso aos recursos genéticos e a repartição dos benefícios resultantes da utilização desses recursos (combate à biopirataria); as Diretrizes para o Turismo Sustentável e a Biodiversidade; os Princípios de Addis Abeba para a Utilização Sustentável da Biodiversidade; as Diretrizes para a Prevenção, Controle e Erradicação das Espécies Exóticas Invasoras; e os Princípios e Diretrizes da Abordagem Ecossistêmica para a Gestão da Biodiversidade. Igualmente no âmbito da CDB, foi iniciada a negociação de um Regime Internacional sobre Acesso aos Recursos Genéticos e Repartição dos Benefícios resultantes desse acesso.

A CDB estabeleceu importantes programas de trabalho temáticos nas áreas de biodiversidade marinha e costeira, biodiversidade das águas continentais, biodiversidade florestal,  biodiversidade das terras áridas e sub-úmidas, biodiversidade das montanhas e biodiversidade dos sistemas agrícolas (agrobiodiversidade). Adicionalmente a CDB criou iniciativas transversais e programas de trabalho sobre áreas protegidas, conservação de plantas, conservação e uso sustentável dos polinizadores, transferência de tecnologias, medidas de incentivo econômico, proteção dos conhecimentos tradicionais dos povos indígenas e comunidades locais associados à biodiversidade, educação e sensibilização pública, entre outras.

O Brasil foi o primeiro país a assinar a Convenção sobre Diversidade Biológica e, para cumprir com os compromissos resultantes, vem criando instrumentos, tais como o Projeto Estratégia Nacional da Diversidade Biológica, cujo principal objetivo é a  formalização da Política Nacional da Biodiversidade; a elaboração do Programa Nacional da Diversidade Biológica - PRONABIO, que viabiliza as ações propostas pela Política Nacional; e o Projeto de Conservação e Utilização Sustentável da Diversidade Biológica Brasileira - PROBIO, o componente executivo do PRONABIO, que tem como objetivo principal apoiar iniciativas que ofereçam informações e subsídios básicos sobre a biodiversidade brasileira. A Secretaria de Biodiversidade e Florestas (SBF), por meio da Diretoria de Conservação da Biodiversidade (DCBio) é o ponto focal técnico da Convenção sobre Diversidade Biológica no país.

fonte: http://ava.grupouninter.com.br/claroline176/claroline/learnPath/navigation/viewer.php

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Caloi cria própria equipe de moutain bike visando Olimpíadas

Por Pedro Sibahi

Equipe tem planejamento de longo prazo
Equipe tem planejamento de longo prazo
Foto: Luciano Menezes
A Caloi, fabricante brasileira de bicicletas que completou 115 anos, anunciou na última quarta-feira (12) a criação de um time próprio de mountain bike, visando preparar atletas para conquistar medalhas nos Jogos Olímpicos de 2016. A empresa também irá patrocinar equipes que disputarão nas modalidades de estrada e velódromo.

O retorno da marca às competições começou em 2012, com o lançamento do selo “Compromisso Caloi com o Ciclismo Brasileiro”, paralelamente ao apoio de diversos atletas como Henrique Avancini, 23 anos, nove vezes Campeão Brasileiro.

Agora, a empresa irá gerir uma equipe própria na modalidade, chamada Caloi Elite Team. Além do próprio Avancini, o time conta com a participação de Sherman Trezza, de 23 anos, e Nicolas Sessler, 18. O grupo é jovem, mas os atletas já têm experiência em provas internacionais e prometem ir muito longe.

Segundo o planejamento da marca, o objetivo inicial é ter o melhor brasileiro no ranking da União Internacional de Ciclismo (UCI) e ficar entre os 100 melhores do mundo já a partir de 2013. Até 2016, eles querem chegar entre os 30 e garantir que os atletas representem o país até os jogos Olímpicos de 2024, com um planejamento de longo prazo.

Foram destinados 25 milhões de reais para o projeto, que começa oficialmente a partir de janeiro. Segundo Ricardo Musa, presidente da Caloi, as Olimpíadas criaram uma grande oportunidade de divulgar outros esportes, além do futebol e outras modalidades coletivas. “Queremos dar uma contribuição efetiva para mudar o ciclismo no país e ter mais jovens no esporte conquistando medalhas olímpicas”, afirmou.

Avancini contou que “o foco de toda a equipe é o cross country, mas algumas provas de maratona contam pontos para o ranking internacional, por isso também vamos competir nessa modalidade”.

Questionado sobre os principais adversários para 2016, o atleta disse que Marco Aurélio Fontana, italiano que levou o bronze em Pequim, deve ser dos mais fortes oponentes. “Ele inclusive é um modelo para nossa gestão, pois saiu de um nível parecido com o nosso e chegou a conquistar uma medalha olímpica”, completou Avancini.

Para Nicolas, o mais jovem do trio, a empreitada promete ser muito promissora, agora que trabalha junto com os colegas de competição. “Terei a oportunidade de aprender muito porque os dois são atletas com grande experiência internacional. Posso absorver muito dessa vivência pensando na minha evolução como atleta e pessoal”, afirmou.

Equipamento. A equipe da Caloi utilizará em seus treinos e competições a nova bike Elite Carbon, modelo em carbono com rodas de aro 29” lançado há poucos meses. O modelo tem suspensão Rock Shox SID de 100 milímetros, freios e câmbios Sram X-O, 20 velocidades, pedais e guidão da Crank Brothers e selim Fizik.

Questionado sobre a demora em relação ao mercado internacional para ter um modelo de carbono, Eduardo Rocha, diretor de produto e marca contou que “o principal desafio foi trazer para o mercado uma bike top com preço acessível e que fosse rentável. Para fazer esse quadro, buscamos um parceiro fora do Brasil que tivesse uma tecnologia de ponta, mas que pudéssemos fazer o desenvolvimento da geometria”. 
 
fonte: http://www.webventure.com.br/bike/n/caloi-cria-propria-equipe-de-mtb-visando-olimpiadas/31915

1º Eco Adventure Run - 2013

Data: 24/02/2013
Inscrições até: 17/02/2013

Local: Fazenda Santa Rosa 
Cidade: Atibaia / SP 
Organizador: Ultra Runner Eventos Esportivos
Site do Evento: www.ultrarunnereventos.net
Horário: 09h00

Modalidade Preço (R$)
Solo - Geral 110,00
Solo - Acima de 60 anos 55,00

Tel. (19)3869-2921

:-)

PRAZOS PARA INSCRIÇÕES
As inscrições podem ser feitas pelo portal Webventure até o dia 17 de Fevereiro de 2013 ou até o término das vagas disponíveis.
As inscrições podem ser encerradas a qualquer momento a pedido da organização
São aceitas as seguintes formas de pagamento:
- Boleto Bancário até as 18h00 do dia 08/02/2013
- Cartão de Credito Visa ou Mastercard até o dia 17/02/2013

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO
- Data: 24/02/2013 (Domingo)
- Local: Fazenda Santa Rosa
- Endereço: Atibaia - SP
- Largada: 09h00

23/02 – Sábado: Iniciaremos as atividades. Os atletas que preferirem, poderão acampar na fazenda a partir das 08h00.

24/02 – Domingo:
06h00 – 08h00: Entrega de kit do atleta
06h00: Café e bolo de Fubá da Roça
08h40: Primeira chamada pra a Largada.
08h50: Execução Hino Nacional
09h00: Largada
12h00: Encerramento oficial da prova
13h00: Churracada
* Para mais informações sobre Programação, acesse o site oficial do evento. Clique Aqui!

CATEGORIAS E VALORES
- Solo: R$ 110,00
Atletas com mais de 60 anos terão 50% de desconto.
IMPORTANTE: Na compra online será acrescida no preço final da inscrição uma taxa de comodidade
* Para mais informações sobre Categorias e Valores, acesse o site oficial do evento. Clique Aqui!

PREMIAÇÃO
Categoria Solo (Feminino e Masculino)
1º Colocado: R$ 500,00
2º Colocado: R$ 400,00
3º Colocado: R$ 300,00
4º Colocado: R$ 200,00
5º Colocado: R$ 100,00
* Para informações sobre Premiação acesse o site oficial do evento. Clique Aqui!

ENTREGA DOS KITS
- Data: 24/02 (Domingo)
- Local: Fazenda Santa Rosa
- Endereço: Atibaia - SP
- Hora: De 06h00 às 08h30
* Para informações sobre Kits, acesse o site oficial do evento. Clique Aqui!

PERCURSO
* Para informações sobre o Percurso, acesse o site oficial do evento.  Clique Aqui!

REGULAMENTO
- Ao fazer a inscrição no evento o participante é obrigado a ler e estar em acordo com o regulamento do evento. Para visualizar o regulamento completo acesse o site oficial do evento.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES
- É obrigatório apresentar documento de identidade ou documento com foto.
- É obrigatório apresentar comprovante de pagamento da inscrição realizada via internet.
- O dinheiro da inscrição já paga não será devolvido em caso de desistência independente do motivo.
- Em caso de solicitação de 2ª via de boleto bancário, será cobrado o valor vigente na data da emissão da 2ª via.
- Em caso de pagamento por boleto bancário, a vaga do participante será reservada até a data do vencimento do boleto.
- O participante é o único responsável por obter todas as informações sobre o evento como local, data, hora, informações de retirada do kit entre outros.

ANTI-POPUP
Certifique-se de que não possui nenhum software anti-popup habilitado para conseguir completar sua inscrição. Algumas barras de ferramentas fornecidas por sites como UOL, Google, Yahoo entre outras, possuem o mecanismo anti-popup , nesse caso você deverá desabilitá-lo antes de continuar sua compra.

APROVAÇÃO DE PAGAMENTO
Pagamento via boleto bancário demoram até 03 dias úteis para serem aprovados. Pagamento via cartão de crédito são aprovados em até 05 minutos. Para verificar o status do seu pedido ou para refazer o pagamento do mesmo, caso tenha havido algum problema, acesse Meus Pedidos no site Webventure  com seu e-mail e senha. Lá você terá acesso a todos os detalhes de sua compra e poderá finalizar escolhendo uma das formas de pagamento disponíveis.

IMPORTANTE
O portal Webventure é parceiro da organização do evento para vendas das inscrições on line. Não nos responsabilizamos pelos acontecimentos que venham a ocorrer no evento.

Dez Bikes de Presente neste Natal

Presentão de Natal

Sorteio será dia 24/12/2012 às 18:00
A MussicomBrasil vai te dar um presentão de Natal! São 10 bicicletas novinhas que serão sorteadas no dia 20 de Dezembro. Apoio Wall Bike. Pra participar é facil, é só se cadastrar e torcer!

Vá para o link abaixo e role a página até o fim, lá dentre outras coisa você verá a palavra promoções, é só clicar nela e se cadastrar!
http://www.mussicombrasil.com.br

sábado, 22 de setembro de 2012

Educação Ambiental

"A reflexão sobre nossas ações no dia-a- dia marcado pela degradação do meio ambiente, cria-nos sentimentos que nos impulsionam a produzir ações práticas e educativas à respeito da preservação e conservação dos ecossistemas, potencializando o exercício de ser o próprio exemplo vivo em pensamentos, palavras e ações a ser dado a comunidade humana, incentivando os atores sociais a sentirem o mesmo desejo ardente de nos seguirem nesta grande causa de única intenção, a do bem comum". 
(Arlindo Cesar Bonassa)